Projeto

Planejar é preciso (As diferenças entre os planos: estratégico, tático e operacional)

Desde meus primeiros artigos, tenho me preocupado por trazer algo que nos permitem melhorar-nos como profissionais em gestão de projetos, por exemplo: como gerir melhor nossos projetos, programas, portfólios, utilizar uma abordagem ágil, como trabalhar de forma sustentável, conhecimentos técnicos e habilidades humanas que utilizados de forma equilibrada e orquestrada, aumentam nossas chances de sucesso em nossos empreendimentos.

Mas trago uma questão interessante para abordar neste artigo. O resultado do projeto é sempre benéfico para a organização?

Mesmo que eu entregue projetos nos prazos, que eu gere benefícios, que eu satisfaça as partes interessadas, o que define o sucesso do projeto para a organização está além das respostas à esta pergunta.

Minha resposta é não, mas para mudar minha reposta para sim, é necessário existir planejamento prévio. Isso mesmo, e não estou dizendo apenas planejamento do projeto em si, é necessário existir um planejamento em nível organizacional (estratégico, tático e operacional)

Retomando a ideia do projeto não ser benéfico, podemos imaginar que o resultado do projeto mesmo que atenda às restrições de custos, escopo, tempo, e gere benefícios as partes interessadas, este usou esforço e dinheiro da empresa que não sabemos se o mesmo está alinhado com a visão estratégica da organização frente ao mercado econômico, concorrentes e posicionamento mercadológico.

Administrar uma organização sem um planejamento é idêntico a viajar sem definir o destino. Você pode chegar a lugares interessantes e fantásticos da mesma forma que poderá chegar a lugares desagradáveis com situações embaraçosas. E mesmo que chegue a algum lugar interessante, há umm grande risco, pois existe incertezas quanto a custos entre outros. É importante destacar que qualquer administrador de empresas, seja ele o próprio empreendedor, sócio ou um administrador profissional sabe que toda empresa precisa planejar seu futuro e que este planejamento esteja disseminado na organização.

E este artigo discorre sobre este planejamento futuro divido da seguinte forma:

  • Planejamento Estratégico
  • Planejamento Tático
  • Planejamento Operacional

Planejamento Estratégico (Longo prazo)

No planejamento estratégico é onde tudo começa, a visão do futuro da organização toma forma, levando-se em consideração os fatores ambientais externos e internos, definindo os valores, visões e a missão da empresa.

Em geral, o planejamento estratégico é de responsabilidade da alta administração da empresa. Ou seja, as decisões são tomadas pela alta direção, dono do negócio, CEO, presidente e diretores.

Ao longo do planejamento estratégico, as ações desenvolvidas levam em consideração o longo prazo, sendo considerado, normalmente, um período de 5 a 10 anos, sem iniciativas muito específicas, afinal, seria muito difícil acertar tantos detalhes para um período tão longo.

O importante aqui é levar em conta todos os fatores internos e externos a organização, por exemplo, o cenário econômico global e a situação do mercado em que a empresa atua. Uma excelente ferramenta nesta hora é a análise SWOT que ajuda a mapear todas as Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças e fornece uma ótima base para a estruturação dos demais planos estratégicos. A organização precisa ter muito bem definido quem ela é, aonde quer chegar e o que considera mais importante no caminho.

Alguns exemplos de objetivos estratégicos:

  • Aumentar a satisfação dos clientes em 20%;
  • Reduzir os custos produtivos em 15%;
  • Elevar o índice de capacitação dos funcionários em 30%;
  • Reduzir a rotatividade de funcionários em 60%;
  • Ter participação de 20% em um outro setor da economia;

Planejamento Tático (Médio prazo)

Enquanto o planejamento estratégico se refere ao todo da empresa, o planejamento tático considera um foco mais restrito. Diz respeito ao nível departamental, envolvendo, muitas vezes, apenas um processo do início ao fim.

É no planejamento tático que são criadas as metas e que se constrói o ambiente adequado para que as ações determinadas no planejamento estratégico possam se concretizar.

Tendo em vista que corresponde a um planejamento mais pontual, as ações podem ser decididas por pessoas que ocupam desde posições na alta direção como no operacional, por exemplo, membros da diretoria e gerentes.

Outro atributo que difere o planejamento tático corresponde ao tempo em que se espera resultados das iniciativas — geralmente, no prazo de 1 a 3 anos.

A partir do Planejamento Tático temos como saída os Objetivos Táticos para cada unidade específica da organização (produção, finanças, marketing e de recursos humanos). Estes objetivos devem ser criados de forma a garantir que os Objetivos Estratégicos sejam alcançados.

Alguns exemplos de Objetivos Táticos:

  • Garantir que os pedidos de clientes sejam atendidos em no máximo 01 dia;
  • Garantir que nenhum produto com defeito seja comercializado;
  • Garantir que todos os funcionários sejam avaliados e tenham feedback ao final de cada projeto;

Planejamento Operacional (Curto prazo)

O planejamento operacional corresponde ao nível de onde partem as ações para que se alcance as metas determinadas no planejamento tático, que, por sua vez, devem estar em consonância com o planejamento estratégico.

Aqui, os envolvidos são aqueles que, de fato, executam as iniciativas que são aplicadas em curto prazo, normalmente, no período de 3 a 6 meses.

No planejamento operacional, todos os níveis da empresa são envolvidos e atentam para o acompanhamento da rotina, assegurando que todas as tarefas e operações sejam realizadas, em conformidade com os procedimentos determinados.

Como resultado da etapa de Planejamento Operacional geralmente obtemos Planos de Ações e Cronogramas das atividades que precisam ser desenvolvidas dentro do período de tempo que está sendo planejado. Uma ferramenta muito útil nesta etapa é o 5W2H que auxilia a empresa a montar os Planos de Ações sem esquecer nenhum detalhe importante.

Veja abaixo alguns exemplos de Objetivos Operacionais:

  • Implantar um sistema de separação e rastreamento dos pedidos;
  • Implantar um programa de qualidade total;
  • Fechar parceria com uma universidade para capacitar os funcionários.

Na hora de pensar no Planejamento Operacional de sua organização, além das informações do 5W2H, algumas questões que podem ajudar são:

  • Como fazer?
  • Quem vai fazer?
  • Qual o prazo esperado?
  • Quais as ferramentais e recursos necessários?
  • Quanto vai custar?
  • Quais as alternativas?

Além disto, é essencial uma avaliação dos riscos de cada atividade planejada, bem como a definição de planos de contingência para caso um desses riscos se concretize.

Conclusão

Um planejamento estratégico não irá se concretizar se os esforços do nível tático e operacional não forem bem sucedidos, afinal, trata-se de um processo integrado.

Ou seja, não existe um nível mais importante do que o outro, todos são igualmente necessários: o estratégico para definir uma visão, o tático para se orientar por essa visão e desenvolver planos de ação mais focados, e o operacional para levar todo o planejamento para a execução.

Se você gostou do texto, compartilhe para que para que atinja outras pessoas.

Flávio Costa on InstagramFlávio Costa on LinkedinFlávio Costa on Twitter
Flávio Costa
Gerente de Projetos na Hexagon
Gerente de projetos de T.I com mais de 15 anos de experiência desde desenvolvimento de software, gestão de portfólios, programas e projetos, formação de equipes de auto desempenho. Possuo as principais certificações internacionais como especialista em gestão de projetos: PMP e PMI-ACP pelo PMI (Project Management Institute), Prince2 Practitioner, Prince2 Agile Practitioner e MoP - Management of Portfólio pela Axelos (Abordagem britânica) entre outras certificações em Scrum Master e Product Owner (PSM e PSPO) além de ser oficialmente um PRINCE2® Accredited Trainer (Professor autorizado a ministrar curso de Prince2 Practitioner)

Gerenciou grandes projetos e programas de implantação de sistemas nos segmentos de comércio, varejo, engenharia, segurança pública e informações geográficas sempre com foco no relacionamento interpessoal, gestão de mudança com alto valor estratégico. Sempre engajado e comprometido em construir e liderar equipes para atingir as metas corporativas, entregar valores e benefícios a organização e clientes.

Atualmente é: Gerente de Projetos na Hexagon, Professor em gestão de projetos pelo SiteCampus e Colunista nos portais: Projetos e TI, e Profissionais TI

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.