O que é Viabilidade?

Neste artigo de Celismar Oliveira vamos responder à pergunta: O que é Viabilidade?

Primeiramente vamos começar por viabilidade econômico-financeira de projetos, uma área que tenho grande paixão, já li um bocado, leciono e que gosto de pensar que sei alguma coisa, pelo menos o suficiente para compartilhar como os leitores.

Bem, chega de conversar mole e vamos começar!

Análise de Viabilidade de Projetos

O objetivo desse artigo é definir e conceituar viabilidade, quais os tipos dessa análise, qual a razão de faze-la, suas vantagens, algumas das principais técnicas.

De forma a servir como base para os próximos artigos que tratam mais detalhadamente sobre o assunto.

Além disso como o tópico projetos será abordado futuramente, e esse também é o objeto do site, a ênfase aqui será sobre a análise de viabilidade de projetos, ou seja, sempre que se referir a viabilidade de algo, estará referindo se diretamente à viabilidade de projetos, que é aqui o objeto do estudo/análise.

Mas nada impede de que o entendimento possa ser aplicado a outras análises, como de processos, de serviços e etc., desde que devidamente resguardada a aplicabilidade da técnica.

Mas afinal o que significa viabilidade? Segundo o Dicionário Michelis, viabilidade é a “qualidade ou característica do que é viável”. Segundo a mesma fonte, a palavra viável significa: “…2 Que pode ter bom resultado; exequível, realizável. 3 Passível de bom êxito“. Então podemos entender que análise de viabilidade de algo nada mais é do que a análise de como algo (projeto, produto, serviço, ideia, solução e etc.) pode ser exequível, pode alcançar bons resultados, pode ter êxito.

Tipos/Formas Análise de Viabilidade de Projetos

Partindo do conceito pode-se analisar a viabilidade de algo (especialmente projetos) sob diversas perspectivas. Existem, dentre outros, os seguintes tipos de análises de viabilidade:

  1. Econômico-financeira;
  2. Técnica ou tecnológica;
  3. Legal;
  4. Operacional;
  5. Ambiental;
  6. Mercadológica (de marketing, ou de mercado);
  7. Política;
  8. Fiscal;
  9. De localização;
  10. Social;
  11. Outros;

Quando se elabora a análise de viabilidade de um projeto, considera-se, a maioria das opções acima quando não todas. Especialmente bancos e fundos de investimento exigem que sejam atendidos vários pré-requisitos, previamente à a apresentação do projeto, para então considerar se este será ou não analisado. Em próximos artigos esse tópico será abordado.

Uma breve descrição de cada tipo de análise de viabilidade:

1) Viabilidade econômico-financeira

A análise de viabilidade financeira tem como finalidade determinar se o projeto tem condições de atender as expectativas e demandas dos investidores, para que a decisão de investir seja tomada ou não. Visa apoiar na escolha da melhor alternativa, ou das melhores e ainda demonstrar se é ou não viável investir.

A análise de viabilidade econômico-financeira compara alternativas de investimento de forma a verificar se determinado projeto tem a capacidade de gerar a recuperação do capital (retorno do investimento) e a sua remuneração (retorno sobre o investimento).

Esse é o tipo de análise de viabilidade que será aprofundado nos próximos artigos.

2) Viabilidade Técnica ou Tecnológica

A análise da capacidade de determinado projeto ser exequível. É onde se verifica se existem recursos técnicos e/ou tecnologia que possibilitam produzir as entregas (produto, serviço ou ideia) atendendo às especificações.

3) Viabilidade Legal

É aquela análise que visa assegurar que o projeto, ou produto e/ou atividade (serviço ou processo) são permitidos pela legislação. Em 99,9% das vezes é efetuada por advogados.

4) Viabilidade Operacional

Muito próxima da técnica, como o próprio nome já diz é uma a análise em que se verifica a viabilidade operacional. Por exemplo, em determinada empresa, ou setor, existem recursos (pessoas, energia elétrica, equipamentos, materiais, matéria prima, insumos e etc), em qualidade e quantidade suficiente, que permitam que determinado projeto/ serviço/ ideia/ etc. seja executado?

5) Viabilidade Ambiental

Muito exigida por bancos, fundos de investimento e órgãos públicos como pré-requisito. A viabilidade ambiental geralmente é apresentada na forma de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e Relatório de Impacto Ambiental (RIMA).

Os agentes financeiros e/ou órgão públicos exigem geralmente a Licença Prévia (LP) ou a Licença de Instalação (LI) para só então analisarem o projeto. E para a liberação dos recursos irão exigir a LO, que é a Licença de Operação.

6) Viabilidade Mercadológica (de marketing, ou de mercado)

Essa análise é, juntamente com a viabilidade econômico-financeira, a análise mais importante, e também uma das análises menos executada no caso das pequenas empresas. Mas por que é tão importante? Ora, se não passar no estudo de viabilidade de mercado não há razão para se investir, pois o projeto irá morrer no berço.

Então é importante que seja feito uma pré-análise de forma a verificar a viabilidade econômico-financeira previamente, para só então partir para a pesquisa de mercado.

Esse é o tipo de análise que verifica três aspectos:

  • Consumidores;
  • Concorrentes;
  • Fornecedores

Considerando aqueles já existentes e os entrantes.

Essa análise também visa responder às seguintes perguntas:

  • Qual é o mercado alvo:
    • Quem;
    • Onde;
    • Renda;
    • Faixa etária;
    • Nível de educação;
    • etc.
  • Produtos concorrentes:
  • Substitutos;
  • Existentes/novos;
  • Novas tecnologias;
  • Tendências;
  • Produtos complementares;
  • Precificar;
  • Dimensionar o volume produzido;
  • Avaliar a sazonalidade;
  • Definir canais de distribuição;
  • etc.

7) Viabilidade Política

Não é comum em projetos, mas é um tipo de viabilidade, quando se deseja mudar algo na legislação que venha a viabilizar ou aprovar um projeto público. Como por exemplo a construção de uma faculdade pública estadual em uma determinada cidade pode precisar da aprovação de deputados.

Mas, e a oposição pode desejar que seja alocado em outra cidade. Então existe apoio suficiente para derrotar a oposição e levar o projeto para a aquela cidade? É apenas um exemplo…

8) Viabilidade Fiscal

Aqui analisa-se o impacto de questões fiscais sobre a viabilidade do projeto, o quanto os fatores fiscais podem influenciar sobre o projeto. Mudanças de alíquota, subvenção, renuncias fiscais, classificação como substituto tributário, recuperação de créditos fiscais, Draw-back, programas de incentivo, e etc.

Primeiro analisa-se o impacto dos tributos sobre vendas e sobre fatores de produção (insumos e matérias primas, fretes, energia elétrica, serviços e etc.)

Muitos projetos só são viáveis graças a benefícios fiscais, como SUDAN, SUDENE, programas especiais de apoio a determinados setores. Muitos APLs (Arranjos Produtivos Locais) só são viabilizados graças a incentivos fiscais, via renúncia fiscal e etc.

Não confundir aqui com fontes de recursos como os Fundos Constitucionais (FCO, FNO, FNE), FINEP, programas do BNDES e etc. Aqui o enfoque é exclusivamente fiscal, não se trata de fonte de recursos…

9) Viabilidade de Localização;

A localização é um dos fatores mais críticos para a grande maioria dos projetos. A viabilidade de localização geralmente é um fator limitador, pois maioria dos casos determina se haverá a disponibilidade (em quantidade e qualidade suficiente) de recursos para a sua operacionalização.

Nesse sentido mão de obra qualificada, matérias primas, insumos, mercado consumidor. Gastos com fretes e carretos de fatores de produção e vendas.

Sobretudo aqui técnicas de programação linear e pesquisa operacional são valiosos aliados.

Bem como existem casos em que um player (competidor) só consegue entrar em determinado mercado comprando outro(s) player(s).

Em contrapartida, mesmo tendo recursos para construir instalações mais modernas e eficientes. Mas se não comprar o concorrente não haverão recursos necessários para a sua operação.

O que pode encarecer ou inviabilizar o seu projeto. O que é chamado como crescimento inorgânico, por aquisição.

Para a áreas como a de tecnologia da informação, os impactos podem ser reduzidos, podendo-se virtualizar. Já no caso de apps Android, Apple (IOS) o impacto é mínimo, prendendo-se mais a fatores de tradução/cultura.

As análises acima podem não só ser valiosas para o projeto em questão, como também podem possibilitar identificar oportunidades de negócio.

Razões – porque se fazer a análise de viabilidade

Embora possa parecer óbvio, muita gente não sabe o principal objetivo de se fazer a análise de viabilidade. Muitos empreendedores, muitos mesmo só fazem os estudos de viabilidade para captar recursos juntos às fontes lançadoras.

De fato no fundo uma grande maioria não faria a análise de viabilidade se tivesse a disponibilidade de recursos para os investimentos necessários.

Acima de tudo isso é uma das principais razões pelas quais muitos empreendimentos não chegam sequer ao 5° ano, engrossando as estatísticas de fracassos no IBGE.

Ao mesmo tempo são várias as razões que justificam a elaboração de análises de viabilidade, dentre elas podemos citar:

  1. Captar recursos junto a fontes de financiamento (aqui são projetos e/ou business plans para bancos, fundos, investidores);
  2. Verificar/assegurar a viabilidade (elevando as chance de sucesso);
  3. Definir o mercado (clientes, concorrentes, fornecedores)
  4. Analisar riscos e alternativas;
  5. Comparar alternativas de investimento e outros fatores;
  6. Definir o tamanho/porte do projeto;
  7. Determinar localização;
  8. Escolher a tecnologia;
  9. Verificar operacionalização;
  10. Assegurar a legalidade;
  11. Reduzir/mitigar impactos ambientais;

Geralmente a análise de viabilidade é utilizada para comparar alternativas de investimentos. Estas são confrontadas dentro de cenários previamente definidos.

De forma a possibilitar a escolha da alternativa que possa melhor atender as expectativas do empreendedor/investidor. Reduzindo risco, otimizando o uso de recursos.

Basicamente as principais vantagens são:

  • Otimizar/racionalizar o uso dos recursos;
  • Reduzir/mitigar os riscos;
  • Alinhar/definir as expectativas;
  • Melhorar as decisões (resultados);
  • Maximizar o retorno;

Algumas das Principais Técnicas

As técnicas usadas dependem de cada tipo de análise de viabilidade. Em próximos artigos, esse tópico será abordado com profundidade, conceituando e exemplificando cada uma das técnicas abordadas.

Apesar de existir um grande leque de opções de técnicas que podem ser utilizadas, abaixo seguem algumas das mais utilizadas:

  1. Análise de Investimentos (análise de fluxo de caixa: VPL, TIR, ROI, Payback, MTIR);
  2. Análises de elasticidade;
  3. Análise de Cenários;
  4. Testes de sensibilidade;
  5. Simulações;
  6. Técnicas de priorização;
  7. Análise de Relação Custo Volume Lucro (break-even point, ou ponto de equilíbrio);
  8. Estatística Aplicada (estatística descritiva, regressão linear, regressão múltipla e etc.);
  9. Programação Linear
  10. Pesquisa Operacional;
  11. Teoria das Restrições Reais (TOR);
  12. Técnicas de pesquisa de mercado;
  13. Entrevistas;
  14. Brainstorming;
  15. Etc.

Todavia existe uma infinidade de referências (muitas muito boas, excelentes) sobre esses tipos de viabilidade. Não há aqui a pretensão esgotar o assunto, mas apenas servir como mais fonte de aprendizagem.

De forma a permitir que o leitor a conheça os principais tipos/formas de viabilidade, a razão de analisar e as principais técnicas de análise.

Em próximos artigos serão tratados com profundidade vários dos assuntos aqui abordados. Até mais.

2 comentários em “O que é Viabilidade?

  • Excelente abordagem! Além da análise de viabilidade, uma análise de riscos bem feita deve ser foco de empresários e empreendedores. E, na maioria das empresas é feita superficialmente ou sem a análise quantitativa dos riscos, deixando de ser considerados nos investimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *