Lean Six Sigma Projeto

Ferramentas Lean – Kanban

Kanban é uma ferramenta que permite a visualização do fluxo de trabalho como um todo, permitindo a geração de valor por pessoas dentro da organização.

Caro Leitor, este artigo faz parte de uma série de artigos que visa proporcionar uma visão sobre as Ferramentas Lean.

Claro que não vamos falar sobre todas, mas vamos fazer uma abordagem sobre as que mais se destacam.

Se você ainda tem dúvidas, sobre o que é Lean, recomendo ler o primeiro artigo desta série: Introdução ao Lean1 .

Como já fizemos uma introdução sobre o que é Lean, vamos entender o que é e como funciona o Kanban.

Ferramenta Kanban

Kanban é um termo de origem japonesa e significa literalmente “cartão” ou “sinalização”, que controla os fluxos de produção/desenvolvimento.

Também pode ser utilizado no gerenciamento de projetos, sendo representado por quadros, que tem como objetivo de gerenciar a produção de produtos/serviços em todas as etapas de uma operação ou projeto.

Em uma linha de produção, o Kanban é utilizado em peças ou partes específicas que indica uma determinada entrega.

Quando se esgotam as peças, é sinalizado no quadro, onde se converte num novo pedido para mais peças. No gerenciamento de projetos é semelhante.

Em uma software house, por exemplo, costuma ser utilizado o Kanban físico (um quadro semelhante à imagem acima) indicando se um determinado componente do software está na fase de “To Do”, “In Progress” ou “Done”, dependendo do fluxo de processos definido pela organização.

kanban ou Kanban?

Poucos sabem a diferença entre kanban e Kanban. Na verdade, aparentemente, não há diferença, mas vamos para os conceitos, para que você possa entender melhor.

O kanban é mais “puxado e limitado”, ele permite a visualização do fluxo de trabalho como um todo, proporcionando a geração de valor por pessoas para a organização.

De forma geral, é o que o mercado entende por Sistema Kanban. Enquanto que o Kanban (idealizado por David J. Andersen), fornece uma abordagem evolutiva e incremental, que tem como foco a mudança de processos e sistemas nas empresas.

Conhecido como Método Kanban, é basicamente a execução de um Sistema Kanban focado em Kaizen (melhoria contínua dos processos, visando causar a menor resistência à mudanças) e gestão.

É possível utilizar o Sistema kanban sem a utilização do Método Kanban. Agora que você já sabe a diferença entre eles, acredito que não há mais dúvida entre utilizar k ou K. Correto?

O Kanban e o Lean

Imagine que o produto ao qual sua organização precisa entregar, está indicando que sofrerá algum tipo de atraso. Seja na linha de produção de uma indústria, ou no desenvolvimento de um software.

Você como gestor reúne a equipe e vocês tentam identificar aonde está a falha e/ou o que está acarretando o devido atraso.

Seria possível tomar alguma decisão se não fosse possível visualizar as etapas de desenvolvimento do produto/software como um todo? Como podemos esperar que um gestor perceba os desvios de padrão no fluxo e trabalhe para corrigi-los?

Felizmente isso é possível, graças à esta ferramenta (Kanban), que é aplicado no mundo todo para definir, gerenciar e melhorar as entregas de produtos. Pode ser caracterizado, seguindo estes simples passos:

  1. Você pode iniciar fazendo o que já faz de costume, respeitando os processos definidos pela sua organização;
  2. Na sequência, torne o fluxo visível com um quadro Kanban (semelhante à imagem acima), identificando as etapas/fases necessárias para a entrega do produto;
  3. Coloque em prática a melhoria contínua dos serviços (uma boa ferramenta é o Ciclo PDCA, leia o artigo: Ciclo PDCA: Foco na Qualidade 2).

Eliminando desperdícios com o Kanban

Ok, legal, tudo isso é lindo na teoria, mas e a prática? Bem, baseado em alguns desperdícios da filosofia Lean, podemos constatar que a ferramenta Kanban pode auxiliar nos seguintes aspectos:

  • É possível reduzir ou eliminar a perda por produção excessiva, se você deixar visível em seu Kanban o que e quanto deve ser produzido em um determinado período;
  • Um colaborador bem orientado, não precisa ficar aguardando por ordens para executar o seu trabalho. Tendo o Kanban visível, ele sabe quando e como iniciar determinada atividade, eliminando a perda por espera;
  • Defina o fluxo e as fases em que as atividades devem acontecer, estime a velocidade e acompanhe verificando se não há perda no próprio processamento;
  • As atividades definidas no Kanban devem acontecer na prioridade definida, respeitando as atividades predecessoras (se houver), sendo executadas a seu tempo, evitando a perda por movimentação;
  • Entre as etapas/fases definidas em seu fluxo de processos, evidencie no Kanban o QA (Quality Assurance) para que o seu produto passe por um processo rigoroso de qualidade e testes de aceitação evitando, assim, a perda por fabricação (ou desenvolvimento) de produtos defeituosos.

Sem o Kanban, os gestores e demais colaboradores poderão ficar te perguntando sobre o seu trabalho a todo momento.

Por isso, sinalizar o seu trabalho através de cartões em um quadro requer disciplina e mudança de hábito. Uma vez que estivermos acostumados, é irrelevante o tempo gasto sinalizando com cartões, e todos os envolvidos no processo podem estar atualizados com o desenvolvimento do produto/software de forma fácil e rápida.

Vale ressaltar que, para a demonstração de indicadores e resultados mais eficientes, é importante combinar esta com outras ferramentas de gestão, a qual poderemos falar nos próximos artigos.

Espero que este artigo tenha ajudado você a se tornar mais produtivo. Fique ligado nos próximos artigos e não esqueça de nos dar a sua opinião, ela é muito importante para nós!

Até breve!

Referências

  • https://pt.wikipedia.org/wiki/Kanban;
  • https://blog.taller.net.br/kanban-ou-kanban/;
  • https://www.voitto.com.br/blog/artigo/ferramenta-kanban;
  • http://cio.com.br/opiniao/2018/04/03/use-ferramentas-lean-kanban-para-aumentar-a-transparencia/.

Referências

  1. Lean Series – Introdução ao Lean
  2. Ciclo PDCA: Foco na Qualidade
Renato Cunha
Analista de Projetos na Swfast, a qual assumi a responsabilidade de implantar o Escritório de Gerenciamento de Projetos (PMO) e também atuo como Scrum Master em alguns projetos.

Atuei como Gerente de Projetos nos anos de 2016 e 2017 na LCS (a qual auxiliei na estruturação do Escritório de Gerenciamento de Projetos), sou formado em MBA em Gestão de Projetos pela Universidade Veiga de Almeida e graduado em Gestão da Tecnologia da Informação pelo UNISEB. Possuo mais de 12 anos de experiência na área de TI e há 04 anos atuando na área de gerenciamento de projetos.

Comentários

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.