Governança

Do gerenciamento à governança em em cinco partes – 3/5

 

Na PARTE 1 1e na PARTE 22, pudemos ver que a TI alcançou uma importância universal, enraizou-se nos costumes humanos, participou fortemente dos processos empresariais e garantiu seu lugar na estrutura organizacional como elemento do negócio.Nessa terceira parte, vou conceituar as transformações que a TI sofreu ao longo de sua história, desde seu emprego como simples ferramenta de trabalho até o seu papel insubstituível nas decisões de negócio.
 
Boa leitura.

Parte 3 – O gerenciamento da TI

 
O gerenciamento da TI surge no cenário evolutivo da computação como uma consequência da complexidade que se alcançou nas corporações. Sallé (2004) aponta a TI como um elemento essencial da corporação, a ponto de existirem algumas modalidades de negócios incapazes de viver sem ela. A função da TI sofreu mudanças ao longo do tempo e, por conseguinte, a forma como passou a ser gerenciada também mudou. Mathias Sallé (2004) apresenta três estágios da função da TI ao longo do tempo (Tabela 1).
 
 
 
tabela1
O estágio como Provedor de Tecnologia é o estágio inicial assumido pela TI, quando seu foco limita-se aos domínios da tecnologia, não se envolvendo com o negócio. No estágio seguinte, a TI já ampliou sua visão e enxergou os domínios do negócio, mas ainda focada em seus domínios tecnológicos. No terceiro e último estágio – apresentado pelo autor como um cenário futuro – a TI e o negócio se fundem, sendo quase impossível entender quando um processo é de TI ou de negócio. Nesse último estágio, as ações são conjuntas e direcionadas ao negócio (Figura 1).
 
 
image
 
Magalhães e Brito (2007) abordam o tema observando a evolução do gerenciamento em função do tempo histórico. Para isso, ilustra o avanço tecnológico inserido no contexto da evolução do gerenciamento em função da dependência do negócio à TI (Figura 2).
 
image
 
Pela temporalidade histórica, Magalhães e Brito3discordam de Sallé4 quando identificam que o termo gerenciamento surgiu na TI como Gerenciamento de Sistemas na década de 1970. Para Sallé, a década de 1970 é tida como uma era obscura para o gerenciamento da TI. Ambos, entretanto, concordam quando apontam a evolução do gerenciamento como resultado da dependência que as organizações criaram a partir da TI. Para Magalhães e Brito, essa evolução agregou à TI atividades importantes e que trouxeram vantagens competitivas ao negócio. Tais atividades são:
  • Desenho
  • Planejamento
  • Implementação
  • Operação
  • Suporte

Ainda segundo eles, cada uma dessas atividades de gerenciamento direcionam a TI para os seguintes objetivos

  • Garantir e aumentar a disponibilidade da infraestrutura da TI;
  • Elevar o nível dos serviços prestados;
  • Permitir flexibilidade no atendimento da demanda;
  • Diminuir os efeitos das mudanças;
  • Aumentar a eficiência na resolução dos problemas;
  • Reduzir os custos das falhas;
  • Diminuir os custos dos serviços de TI.
Além do legado gerencial atrelado à evolução da TI, outro fator relevante contribuiu significativamente para a consolidação das práticas gerenciais na TI: os altos investimentos na área. O gerenciamento da TI passou a ser estratégico para a tomada de decisões nas empresas, não somente para garantir o alinhamento ao negócio, mas sobretudo para controlar o seu custo. Segundo o Gartner Group, Inc., entre 60 e 90% do TCO (Total Cost of Ownership – Custo Total de Propriedade) da infraestrutura de TI destinam-se aos esforços de gerenciamento e suporte (MAGALHÃES; BRITO, 2007, p. 80).

Os investimentos em tecnologia vêm sendo inegavelmente inflados e já representam boa parte do orçamento das corporações. Em 2010, a Gartner previu que os gastos em TI pelas empresas no mundo seria em torno US$ 3,4 trilhões, 4,6% maior que os investimentos feitos em 2009 (IPNEWS). A consultoria aponta esse crescimento como modesto, devido à recente crise econômica mundial. O instituto IDC, registrou no Brasil a marca de 6,4 milhões de PC só no primeiro semestre de 2010, um número 32% maior que o primeiro semestre de 2009 (IDG NOW). Portanto, gerenciar a TI é uma necessidade de manutenção da saúde financeira e de sobrevivência do negócio, e não apenas do funcionamento de uma área da empresa.

Referencias

Referências

  1. Do Gerenciamento à Governança em 5 partes – 1
  2. Do Gerenciamento à Governança em 5 partes – 2
  3. MAGALHÃES, Ivan L.; BRITO, Walfrido. Gerenciamento de Serviços de TI na Prática – Uma abordagem com base na ITIL. Novatec. São Paulo, 2007.
  4. SALLÉ, Mathias. IT Service Management and IT Governance: Review, Comparative Analysis and their Impact on Utility Computing. HP Laboratories. Palo Alto, 2004.
Cleber Sousa

Comentários

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.