Governança

Do gerenciamento à governança em em cinco partes – 2/5

 

Na PARTE 11, falei sobre a evolução do papel da TI ao longo do tempo, desde o seu enraizamento nos processos empresariais até a sua dependência nos costumes humanos, culminando com as mudanças na ordem mundial por conta da globalização.

Nessa segunda parte, apresento os desdobramentos oriundos dessas mudanças econômicas, que influenciaram governos e corporações, e as consequências sobre a gestão da TI.

Boa leitura.

PARTE 2  –  O papel da TI nos objetivos do negócio

Os movimentos de reordenação na economia mundial, entretanto, vinham sendo discutidos desde a década de 1980 devido a crises financeiras na Europa. Havia preocupações, sobretudo na Inglaterra, a cerca da necessidade de melhor gestão após os recentes escândalos financeiros e corporativos no país. No início da década de 1990, surgiram dessas preocupações as primeiras publicações do que conhecemos hoje como governança corporativa, um apanhado de boas práticas de como administrar a empresa e manter a saúde corporativa. A iniciativa se refletiu em outros países e ganhou mais importância na agenda de empresas e governos. No Brasil, o movimento ganhou força em 1995, com a criação do Instituto Brasileiro de Conselheiros de Administração, hoje Instituto Brasileiro de Governança Corporativa.

 
As discussões ao redor do mundo sobre a necessidade de controlar os domínios da TI vinham sendo pauta desde a década 1970, a partir de teorias de gestão de processos de desenvolvimento de sistemas. Na Inglaterra, a formalização sobre o assunto surgiu com o estabelecimento de um framework para o gerenciamento de serviços de TI que, após revisões contínuas, foi publicado em vários volumes entre os anos de 1989 e 1996 como Information Technology Infrastructure Library (ITIL)2. O ITIL tornou-se nos anos seguintes um modelo de facto para gerenciamento de serviços de TI, servindo de base para um código de práticas publicado em 2000 como BS 150003
 
O padrão britânico foi pioneiro no assunto e também foi rapidamente assimilado por outros países, fosse como padrão de fato ou modelo para normas locais, a exemplo da Austrália e da África do Sul. A aceitabilidade internacional do padrão e de suas consecutivas revisões deu origem  em 2004 ao projeto de criação de um padrão internacional, a ser mantido e divulgado amplamente: a ISO/IEC 20000, publicada oficialmente em 2005.
Os benefícios advindos da reflexão sobre a importância da TI na manutenção dos objetivos de negócio das corporações foram fundamentais para que modelos de gestão da TI passassem a ser indispensáveis. Entretanto, aquelas preocupações surgidas na década de 1980 e de suas variações e revisões até virada do milênio não foram os aceleradores da adoção internacional dos padrões de gerenciamento da TI. As mudanças nos humores mundiais por conta dos escândalos financeiros da Enron e de outras empresas, tornaram mandatórias práticas de gestão para prevenir fraudes e apontar responsáveis.
 
Nos EUA, essas práticas foram regulamentadas pelo Sarbanes-Oxley Act, lei publicada no ano de 2002. Posteriormente, com o mesmo objetivo de criar padrões de gestão responsável, porém para o setor bancário, surgiu o Acordo da Basiléia II, publicado no ano de 2004. Ambos marcos regulatórios afetaram de forma significativa os processos de TI, já que as informações financeiras e de resultados são oriundas de todos os processos de negócio que geram fatos contábeis e financeiros para a empresa, e que podem estar automatizados ou não4.
 
A governança da TI surge assim, como a interface do negócio com os processos da TI, como uma porta de comunicação que traduz as intenções estratégicas em ações operacionais planejadas e que formata os efeitos dessas ações em resultados compreensíveis aos olhos dos tomadores de decisão da companhia5
.

A governança da TI representa o passo seguinte na gestão da TI, que inicialmente limita-se aos domínios da infraestrutura e que posteriormente se expande para administrar seus serviços6. O setor antes fechado para o resto da empresa, passa a ser mais transparente e acessível aos planos corporativos, menos obscuro, ainda que não tecnicamente. O alinhamento estratégico da TI ao negócio torna-se, portanto, indispensável para empresas de qualquer porte e representa o nível alto de maturidade alcançada em sua gestão.

O alinhamento, entretanto, será problematizado na PARTE 5 – Governança na TI, quando será apresentado o conceito de modelo operacional, proposto por Jeanne Ross, como meio para se obter integração e padronização com o processo de negócio.

Referencias

Referências

  1. Do Gerenciamento à Governança em 5 partes – 1
  2. CCTA. ITIL – Service Suport. Londres, 2000.
  3. DUGMORE, Jenny. Achieving ISO/IEC 20000 – The differences between BS 15000 and ISO/IEC 20000. British Standards Institution. Londres, 2005.
  4. FERNANDES, Aguinaldo A.; ABREU, Vladimir F. Implantando a Governança de TI: Da Estrategia à Gestão de Processos e Serviços. Brasport. Rio de Janeiro, 2007.
  5. WEILL, Peter; ROSS, Jeanne W. IT Governance. Harvard Business School Press.  Massachusetts, 2004.
  6. SALLÉ, Mathias. IT Service Management and IT Governance: Review, Comparative Analysis and their Impact on Utility Computing. HP Laboratories. Palo Alto, 2004.
Cleber Sousa

Comentários

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.