Projeto

Como fazer uma WBS / EAP

O artigo dessa semana discorre sobre a Estrutura Analítica de Projeto (EAP) ou Work Breakdown structure (WBS) e que diferente da PBS (Product Breakdown Structure) tratada em artigo anterior, tem sua estruturação através do detalhamento das “entregas” que o projeto irá demandar.

Você já conhece tudo o que precisa para Criar a estrutura analítica do projeto, mas hoje você vai aprender a criar a sua.

A WBS é uma ferramenta visual que permite a estruturação de um projeto de forma simples, visual e contém todo o trabalho necessário para conclusão do projeto. Ela se parece com um “organograma empresarial”, mas seu objetivo é identificar que partes compõe um projeto.

Apesar de negligenciada, a WBS é, talvez o documento mais importante de um projeto, pois além elucidar e delimitar o escopo do projeto, serve para comunicar e acompanhar o progresso do mesmo.

A WBS deve ser completa, organizada e pequena o suficiente para tornar possível a medição do progresso, mas não detalhada o suficiente para se tornar, ela mesma, um obstáculo à realização do projeto.

Suas principais utilidades são

  • Delimitar e elicitar o Escopo do Projeto;
  • Facilitar a Identificação das Fases do projeto;
  • Facilitar a Identificação dos responsáveis;
  • Orientar a identificação e descrição detalhada das Entregas do projeto;
  • Identificar as atividades do projeto;
  • Facilitar a Estimativa de Esforço, Duração e Custo;
  • Facilitar a Identificação de Riscos.

A WBS pode seguir uma numeração identada (Figura abaixo). Serve para facilitar a organização dos pacotes de trabalho, que serão descritos na fase seguinte (antes do cronograma) e facilita a “rastreabilidade” de um pacote de trabalho no cronograma.

A WBS pode ser construída de diversas formas conforme o propósito e tipo de projeto. As formas mais comuns de montagem da WBS são: Por Fases, Por Entregas e Por Equipes. Abaixo são apresentados exemplos de WBS em cada uma das formas.

WBS por Fases

Organiza fases no primeiro nível e eventualmente no segundo nível também.

Vantagens:

  • Oferece uma visão “cronológica” dos acontecimentos no projeto;
  • Facilita o entendimento de pessoas leigas;
  • Facilita o posterior gerenciamento das atividades.

Desvantagens:

  • Pode ofuscar a visão das partes necessárias para uma entrega específica;
  • Tende a incentivar que se incluam atividades administrativas (ex: Controle do projeto)

WBS por Entregas

Mostra as partes necessárias para compor as entregas do projeto.

Vantagens:

  • Visualiza claramente as partes que compõe o projeto;
  • Facilita a discussão de soluções técnicas e caminhos alternativos;
  • Facilita identificação de riscos técnicos;

Desvantagens:

  • Não oferece visão cronológica

WBS Por Equipes

Visualiza os pacotes de trabalho a partir da divisão de Equipes do Projeto.

Vantagens:

  • Ótima para ocasiões em que o projeto tem equipes com responsabilidades muito diferentes.

Desvantagens:

  • Não mostra cronologia nem a organização das partes das entregas.

Ferramentas gratuitas

Uma ferramenta gratuita, online e bastante útil para elaboração da WBS é o Wbstool.

Conclusão

Após definir o primeiro nível da WBS, você deve detalhar até encontrar os pacotes de trabalho. Não existe limite de quantidade de níveis, use quantos precisar, observando a regra dos 8/80, cujo os pacotes de trabalho não devem ser menores que 8 horas, nem maiores que 80, portanto use essa regra como métrica.

Flávio Costa on InstagramFlávio Costa on LinkedinFlávio Costa on Twitter
Flávio Costa
Gerente de Projetos na Hexagon

Gerente de projetos com mais de 15 anos de experiência desde desenvolvimento de software, gestão de portfólios, programas e projetos, liderança e formação de equipes. Possui as principais certificações gestão de projetos como: PMP (Project Management Professional) pelo PMI, PRINCE2 Practitioner, PRINCE2 Agile e MoP (Management of Portfolio) pela Axelos, Agile Scrum pela Exin entre diversas outras.


Gerenciou grandes projetos e programas de implantação de sistemas nos segmentos de comércio, varejo, engenharia, segurança pública, informações geográficas e setor público sempre com foco no relacionamento interpessoal e gestão de mudança com alto valor estratégico. Sempre engajado e comprometido em construir e liderar equipes para atingir as metas corporativas e entregar valores e benefícios a organização e cliente.


Atualmente é: Gerente de Projetos na Hexagon, Gerente de Portfólio no PMI-SP, Professor em gestão de projetos pelo SiteCampus e Colunista nos portais TI Livre, Projetos e TI, e Profissionais TI


Comentários

Deixe uma resposta