WAIT – Porque estou falando?

Você deve estar achando este título totalmente estranho. Mas, “Porque estou falando?”, é um paradoxo complicado e que precisa ser desmistificado.

A palavra WAIT (verbo aguardar ou esperar, no português), nos remete à seguinte reflexão: Why Am I Talking? Que é exatamente o questionamento que sugiro no título deste artigo.

É preciso saber distinguir qual o melhor momento para nos manifestarmos, seja no ambiente corporativo, estudantil, familiar ou entre amigos. O que e como falamos, pode dizer muito a nosso respeito. Porém, a sugestão deste artigo se aplica melhor ao ambiente corporativo.

Por mais simples e comum que pareça, nem todo mundo captura a obviedade e o objetivo de nossas palavras, podendo gerar frustação de expectativas aos nossos ouvintes. Estando você satisfeito ou não com o que está transmitindo, sendo você um bom profissional, deverá manter a postura em tratar os assuntos pertinentes que sugerem a ocasião; da mesma forma que, se você não estiver se sentindo à vontade, pode e deve permanecer em silêncio ou, no caso, Aguardar.

Não há comportamento mais negativo do que tumultuar o ambiente de trabalho com discussões desnecessárias e que não condizem com o perfil de um profissional. Para um melhor entendimento, vai algumas dicas:

  1. Antes de iniciar uma discussão com alguém, questione a si mesmo se você tem algo realmente importante à dizer, ou se tem uma opinião muito forte para compartilhar.
  2. Calma, antes de prosseguir, será que este é o momento para fazer isso?
  3. Se a resposta for Não, então retorne ao questionamento inicial e tente outra vez.
  4. Se a resposta for Sim, por favor, seja conciso e objetivo em sua argumentação.
  5. Se você tiver uma contribuição à fazer, certifique-se de que esta é a sua vez de falar e que alguém já não tenha feita esta contribuição antes.
  6. Em caso afirmativo, retorne novamente ao questionamento inicial.
  7. Caso esta seja uma novidade, por favor, seja conciso.

Saber como se comportar, o que e quando falar em um ambiente corporativo significa manter a formalidade do relacionamento profissional. O importante é você saber focalizar suas ideias e pensamentos para que suas palavras sejam concisas e tenham o direcionamento correto.

Para um bom convício profissional entre superiores, subordinados, clientes e fornecedores, o bom senso e a boa comunicação irão garantir o entendimento em uma conversa e manter as relações interpessoais em um patamar saudável.

Mais algumas dicas…

  1. Também é muito importante que você saiba o que está ao alcance de suas palavras e a veracidade delas, tenha consciência do seu próprio limite;
  2. Realize suas argumentações com consciência e foco. Em uma reunião, por exemplo, organize sua mente – se possível anote – suas ideias, dados relevantes e informações pertinentes.
  3. Seja assertivo, sua fala deve ser firme e corajosa, sendo sempre positivo e mantendo a educação.
  4. Ouça com atenção sempre que alguém estiver compartilhando algo. Escutar é complicado e sutil, além de poder contribuir com as suas ideias, ajuda a evitar repetições desnecessárias.

Um pouco de Humor?

Muitos dizem por aí que não é possível conciliar trabalho árduo com uma “dose” de humor. Alguns veem, apenas, as desvantagens do humor no ambiente corporativo.

Se é que existe alguma desvantagem, acredito que esta não seja necessariamente no humor, mas na falta de comprometimento e maturidade das pessoas, que acabam por confundir o ambiente corporativo com um ambiente informal. Isso o leva à falta de responsabilidade e uma visão errônea sobre o humor no local de trabalho.

Por esta razão, é preciso balizar o senso de humor e saber a hora exata de iniciar e parar. As pessoas que conseguem conciliar as duas coisas reconhecem que este ato minimiza o estresse improdutivo.

Seja qual for a circunstância, com uma “pitada” de humor ou não, o melhor de tudo é sempre parar para pensar no que está fazendo, no que irá dizer e porque você está fazendo/falando isso. Afinal, uma palavra lançada, jamais poderá retornar.

Comentários

comentarios

Renato Cunha
na

Um comentário em “WAIT – Porque estou falando?

  • setembro 9, 2015 em 9:41 am
    Permalink

    Muito bom!