Escopo Projeto

Podemos iniciar a execução de um projeto sem a definição do escopo?

O artigo desta semana traz uma abordagem sobre o tema “escopo” e sua importância em um projeto. Mas antes de responder esta questão sobre iniciar a execução de um projeto sem que tenhamos o escopo definido, precisamos saber o que é o escopo do projeto e para que serve este “escopo”.

O Escopo do projeto é todo trabalho necessário para realizar a entrega de um produto (entende-se como “produto”, o serviço ou resultado a ser produzido ou entregue pelo projeto) e os requisitos são as características deste produto. Em outras palavras, podemos considerar o escopo como a meta ou objetivo a ser alcançado, e portanto é preciso ter claro onde devemos chegar ou o que devemos entregar.

O Escopo é uma “linha de base” que deve ser planejada e controlada durante todo o ciclo de vida de um projeto, e quaisquer mudanças devem ser analisadas previamente por um comitê de controle de mudança.

A importância do Escopo

O Escopo é tão importante que o PMBOK Guide (Project Management Body of Knowledge), detém uma área de conhecimento para o gerenciamento do escopo do projeto, que inclui todos os processos necessário para assegurar que o projeto inclui todo o trabalho necessário, e apenas o necessário para terminar o projeto com sucesso.

Importante destacar também que a mal definição do escopo, seja por falta de informações, negligência de algum processo ou requisitos incompletos, estão entre as principais causas de falhas em projetos, uma vez que são eles que refletem as necessidades e as expectativas das partes interessadas no projeto e principalmente as do cliente.

Uma boa maneira de identificarmos se temos um bom requisito é verificar se ele pode ser medido e testado e se a sua descrição tem apenas uma única interpretação. Há também metodologias colaborativas e visuais que ajuda na criação de um plano de projeto, definição do escopo e alinhamento e entendimento do escopo por todas as partes interessadas, pois de nada adianta ter um escopo no papel e vários escopos na cabeça de cada parte interessada.

Já falei o que é o escopo e a sua importância em um projeto, mas afinal como fica o questão do artigo? Podemos ou não considerar iniciar a execução de um projeto sem a definição do escopo?

A resposta é “depende“, pois cada projeto é único, e é preciso dar a devida atenção a cada projeto. É preferencial que o escopo seja totalmente definido durante a fase de planejamento, e a execução só comece após termos completamente o escopo bem definido com um plano de execução realista.

Mas há projetos longos que dificilmente conseguiremos definir o escopo total do projeto. E agora? O que e como fazer?

Diante desta realidade, podemos elaborar o escopo do projeto no curto prazo, só com os requisitos que conhecemos, e a medida em que avançamos durante o trabalho, podemos planejar a próxima etapa, deixando para depois aqueles itens que ainda são incertezas (é importante dizer que “deixar pra depois” não quer dizer “deixar de lado”, muito menos diminuir seu valor). Esta abordagem é tratada como Planejamento em ondas sucessivas e é útil para projetos quando temos eventos desconhecidos e assim o gerente de projeto planeja somente o curto prazo, deixando os eventos de maior incerteza para depois.

Para finalizar, é importante deixar claro qual é o escopo do projeto e alinharmos com todas as partes interessadas para um mesmo entendimento, porém haverá projetos que precisaremos realizar um planejamento em ondas sucessivas, e para isso ter um escopo de alto nível e ir detalhando o escopo por estágio conforme avançamos é uma alternativa.

Flávio Costa on InstagramFlávio Costa on LinkedinFlávio Costa on Twitter
Flávio Costa
Gerente de Projetos na Hexagon

Gerente de projetos com mais de 15 anos de experiência desde desenvolvimento de software, gestão de portfólios, programas e projetos, liderança e formação de equipes. Possui as principais certificações gestão de projetos como: PMP (Project Management Professional) pelo PMI, PRINCE2 Practitioner, PRINCE2 Agile e MoP (Management of Portfolio) pela Axelos, Agile Scrum pela Exin entre diversas outras.


Gerenciou grandes projetos e programas de implantação de sistemas nos segmentos de comércio, varejo, engenharia, segurança pública, informações geográficas e setor público sempre com foco no relacionamento interpessoal e gestão de mudança com alto valor estratégico. Sempre engajado e comprometido em construir e liderar equipes para atingir as metas corporativas e entregar valores e benefícios a organização e cliente.


Atualmente é: Gerente de Projetos na Hexagon, Gerente de Portfólio no PMI-SP, Professor em gestão de projetos pelo SiteCampus e Colunista nos portais TI Livre, Projetos e TI, e Profissionais TI


Comentários

Deixe uma resposta