Governança

O bom framework

O bom framework possui as melhores práticas: práticas sugestivas, não prescritivas… cuidado com a ortodoxia por volta do conceitos.

Ainda que ITIL, MOF, PMBOK, PRINCE2, COBIT e outros frameworks foquem em boas e melhores práticas, todas são apenas sugestivas, não prescritivas. O que faz de uma prática ser boa ou melhor que outra é o uso. Para que seja útil para você, você deverá usa-la, ou seja, praticar, sem isso, serão apenas recomendações. Eu já abordei isso em outro post.
 
De um modo geral, o bom framework é aquele com as boas e as melhores práticas para a sua realidade. No entanto, tais práticas foram coletadas a partir da realidade de outros ambientes, de outras culturas, de outros budgets, de outros pensamentos além dos seus. Inevitavelmente, algumas práticas não encaixarão em seu ambiente, em sua cultura ou em seu budget… ainda que sejam as melhores já praticadas por algumas pessoas. Dessa forma, o bom framework é aquele que você faz dia a dia, construído com as práticas adequadas ao seu modelo de gestão e que resultaram em bons efeitos à sua empresa.
 
Falando em gestão e governança da TI, as práticas sugeridas na ITIL e no COBIT podem (e devem!), na maioria dos casos, ser combinadas entre si, aproveitando o que for útil e descartando o que for custoso demais para a sua realidade. Assim, pouco a pouco, você vai criando o seu próprio framework.
A devoção a um ou outro framework cria modelos rígidos, porém, não sólidos, de gestão. A mesclagem de práticas não resulta em contradição e ainda fortalece seus processos.
Cleber Sousa

Deixe uma resposta