Comunicações Gestão Estratégica Projeto

Brainstorming – Desenvolvendo o Potencial Criativo

O que é Criatividade? Como ela surge no mundo organizacional? O termo Criatividade pode ter diversas definições. No ambiente organizacional, a definição que eu gosto mais, é que a Criatividade é fruto de uma ideia, seguido por uma ação. Ou, matematicamente dizendo: Ideia + Ação = Criatividade.

O surgimento de boas ideias, seguida por uma ação, resultando no desenvolvimento do potencial criativo, é um assunto que muitas pessoas estão interessadas, em especial os gestores, empreendedores, publicitários, etc. Querem ter novas ideias, serem mais criativos e que as organizações sejam cada vez mais inovadoras…

A criatividade não surge, simplesmente, nos momentos em que possamos perceber claramente algumas complexidades e sutilezas, tão pouco em um impulso ou uma variação repentina. Ela surge de uma ideia que, inicialmente, pode não fazer o menor sentido e ficam por um tempo “hibernando”, amadurecendo, até que se torne, de fato, exitosa e útil de alguma maneira. Em muitos casos, principalmente dentro da organização, a criatividade surge da necessidade, das tentativas e erros, até chegar a uma ideia que seja realmente criativa e inovadora.

O interessante, é que em muitas ocasiões as ideias criativas podem surgir quando são confrontadas com mais de uma ideia menor, formando algo maior e mais interessante do que elas próprias. Não seria estranho se encontrássemos ideias inovadoras onde uma pessoa teve apenas uma parcela colaborativa desta ideia… Afinal,

A função do homem criativo é perceber e conectar aquilo que parece completamente desconexo (William Plomer)

Mas, como desenvolver o potencial criativo entre os colaboradores, de forma que eles possam ter boas ideias e confronta-las?

Brainstorming: Tempestade Cerebral

O Brainstorming1 (Tempestade Cerebral ou Tempestade de Ideias) é uma dinâmica/atividade que pode ser aplicada nas organizações para explorar e desenvolver o potencial criativo de um colaborador ou do grupo como um todo, podendo ser chamado, também, de Criatividade Colaborativa.

O método Brainstorming foi desenvolvido pelo publicitário Alex Osborn (Bronx, Nova Iorque, 24 de maio de 1888 – 4 de maio de 1966), foi popularizado por meados dos anos de 1930 e, desde então, tem sido utilizada em diversas empresas em todo o mundo, principalmente nas áreas de relações humanas, publicidade e propaganda. Segundo Osborn, os grupos poderiam até duplicar seu potencial criativo ao utilizar esta técnica.

A técnica consiste em reunir de 06 a 12 participantes (incluindo 1 Líder e 1 Secretário(a)); o Líder deve motivar os demais membros a expor seus pensamentos e ideias – enquanto o secretário faz as anotações – a fim de chegar a um denominador comum eficaz e com qualidade, gerando ideias inovadoras e criativas, que poderão levar determinado projeto adiante. O Brainstorming valoriza o pensamento divergente, pessoas diferentes e ideias incompatíveis, em busca de novas perspectivas. As empresas que o utilizam, costumam reunir seus departamentos com o objetivo de tornar o pensamento o mais divergente e não condicionado possível.

No Brainstorming, existem dois processos que devem ser muito bem respeitados e diferenciados:

  • Processo de Criação: Neste momento, nenhuma ideia pode ser descartada, nem julgada como errada ou absurda; todas devem ser ouvidas e anotadas.
  • Processo de Avaliação: É o momento em que serão avaliadas todas as ideias propostas, evoluindo elas, até que se possa chegar a uma solução eficaz.

Para que este processo criativo possa ter um bom desenvolvimento e o máximo de aproveitamento, é preciso seguir algumas regras, que são essenciais e servem para estimular o processo criativo, diminuir a inibição social dos envolvidos na técnica e estimular a geração de ideias. São elas:

  1. Foque na Quantidade: aumente a produção do pensamento divergente, promovendo a geração do máximo de soluções para o problema em questão. Assim, quanto maior for a quantidade de ideias, maior será a probabilidade de se chegar a uma solução satisfatória;
  2. Nada de Criticismo: o Brainstorming separa muito bem as duas etapas de geração de ideias, citadas acima: Criação e Avaliação; sem negligência. Durante a primeira etapa, o criticismo deve ser totalmente suspenso, para que os participantes possam se sentir a vontade para explicitar suas ideias;
  3. Recepcione as Ideias Inusitadas: é importante associar as ideias ambíguas com as inusitadas durante o processo criativo, de forma a encorajar os participantes a sugerirem qualquer tipo de ideias que puderem imaginar, sem preconceitos e risco de alguma avaliação inicial;
  4. Combinar e Melhorar as Ideias: procure combinar uma ideia com a outra, ou melhorar as ideias propostas, mesmo que não seja criação sua; talvez, você possa dar uma nova perspectiva para uma outra ideia.

O Brainstorming visa desenvolver o Potencial Criativo dos colaboradores. Note que o objetivo da técnica é absorver o maior número de ideias possíveis, mesmo que inicialmente pareçam desconexas e sem sentido, mas que num momento posterior, poderá ser encontrada uma relação entre os diversos conceitos. Afinal, “as ideias mais importantes demoram algum tempo para evoluir”2. As ideias mais “admiráveis” são as que, inicialmente, parecem ser sem domínio e que estão longe de se tornarem uma solução. É por esta razão a importância de separar os processos de Criação e Avaliação e seguir estas regras, objetivando o maior proveito possível da técnica e desenvolvimento do Potencial Criativo.

A ideia é bem coletivo. Já a criatividade e a inovação são consequências da ideia em ação.3

Referências:

  1. Wikipédia, Brainstorming. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Brainstorming  
  2. Youtube, Como surgem as boas ideias? Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=45gjqmvFQw8  
  3. Softhost, Ideia, criatividade e inovação. Disponível em: http://blog.softhost.com.br/ideia-criatividade-e-inovacao/  
Renato Cunha

Deixe uma resposta