Projeto

Acabe com suas dúvidas sobre o Gerenciamento do Valor Agregado

O objetivo do artigo é reforçar a importância dos indicadores de valor agregado no projeto sobre como avaliar a saúde do projeto, quais os principais indicadores, como a Linha de base (Baseline) é usada no GVA (Gerenciamento de Valor Agregado) e sua principal aplicabilidade. É importante destacar que o Valor agregado ajuda-nos a respondermos as seguintes a perguntas:

  • Observando a quantidade de trabalho concluída até agora, quanto dinheiro nós já gastamos?
  • Conseguiremos terminar o projeto dentro do prazo?
  • Diante de minhas restrições, qual meu índice de desempenho preciso aplicar para concluir o projeto?

O que é o GVA (Gerenciamento de valor agregado) ? A Gestão de Valor Agregado (GVA) é considerada como um dos principais melhores métricas para analisar a evolução dos custos e prazos de um projeto devido à sua eficiência. Ela realiza a integração de escopo e tempo (Cronograma) e os principais recursos para medir o desempenho e o progresso do que foi planejado (lembrando que o planejado é a a estimativa de progresso representado na linha de base (baseline) do projeto, que neste caso são as linhas de base de tempo (cronograma) e custo. De acordo com o PMBOK Guide (Project Management Body of knowledge) do PMI, o desempenho do custo é mensurado a partir da comparação entre o valor agregado e o custo real. Já o progresso de tempo (cronograma) compara o valor agregado com o valor planejado. Mas afinal, O que é Valor Agregado ? Valor agregado é o valor orçado para realizar o trabalho requerido pelo projeto em um tempo determinado.

Como interpretar o Valor agregado? Apesar de existir vários indicadores para medição do projeto a (GVA) utiliza 3 principais indicadores para monitorar a eficiência de forma contínua: Valor planejado (PV)Também conhecido pelo acrônimo VP (custo orçado do trabalho agendado).

  • Este é o custo orçado (ou de linha de base) das tarefas estimadas no início do plano do projeto, com base nos custos dos recursos atribuídos a essas tarefas, além de quaisquer custos fixos associados a elas, até a data de status que você escolher.
  • Por exemplo, o orçamento total planejado para uma tarefa de 4 dias é de $100, começando em uma segunda-feira. Se você definir a data de status para a quarta-feira seguinte, verá que o valor planejado é de $75. No entanto, com esse valor, não há como saber até que ponto o projeto está dando certo.

Custo Real (AC) Também conhecido pelo acrônimo CR.

  • Este é o custo real necessário para concluir todas as tarefas, ou uma parte delas, até a data de status. Por exemplo, se a tarefa de 4 dias acabar resultando em um custo total de $35 durante cada um dos dois primeiros dias, o custo real desse período será de $70 (embora o valor planejado ainda seja de $75).
  • No entanto, com esse valor, não há como saber até que ponto o projeto está dando certo. Por exemplo, se você planejou concluir uma parcela muito maior do trabalho com os mesmos $70, esse cenário não parece nada bom. Você precisa conhecer o valor agregado para avaliar completamente a eficácia e saúde do seu projeto.

Valor Agregado (EV)  Também conhecido pelo acrônimo VA

  • Este é o valor do trabalho realizado até a data de status, medido com base na moeda.
  • Por exemplo, se depois de 2 dias 60% do trabalho em uma tarefa tiverem sido concluídos, a expectativa é de que você tenha gasto 60 % do orçamento total da tarefa, ou $60. Se você acabar descobrindo que gastou $80, é possível dizer com segurança que o orçamento estourou, e a tarefa está atrasada.

A partir dessas informações é possível calcular as projeções, ou seja, as tendências do projeto, as variações, que indicam a relação entre o que foi planejado e o realizado, e os índices de desempenho do custo e tempo do projeto. O GVA também indica a previsão de término do projeto e as suas variações de tempo e orçamento, projetando também as estimativas para o fim das atividades. Desta forma, é possível comparar o que foi realizado com o previsto inicialmente. Lembrando que o que foi previsto inicialmente está na linha de base (Baseline)

Linhas base (Baseline)

O GVA tem como base para avalição e medição do projeto a Baseline (Linha de Base) da tríplice restrição conforme abordado no artigo Entenda o que é uma Baseline e sua importância nos projetos. A partir destas linhas de base, acompanha-se a evolução do projeto e sempre comparando o que foi planejado com o já realizado. Através desta verificação constante podemos identificar e controlar eventuais desvios entre o previsto e o realizado e, caso necessário, tomar as ações cabíveis para correção, reparação ou ações para recuperação do desvio no projeto.

Principais siglas e fórmulas para o gerenciamento do valor agregado

Nomenclatura em Inglês

Siglas básicas

Sigla Termo Interpretação
PV ouBCWS Planned Value ouBudgeted Cost of Work Scheduled Valor orçado do trabalho planejado
EV ouBCWP Earned Value ouBudgeted Cost of Work Performed Valor orçado do trabalho realizado
AC ouACWS Actual Cost ouActual Cost of Work Scheduled Custo real do trabalho executado até o momento
BAC Budget at Completion Orçamento previsto do projeto
EAC Estimate at Completion Expectativa atual do custo total do projeto
ETC Estimate to Complete Valor a ser gasto, a partir de agora, para que o projeto seja completado
VAC Variance at Completion Variação esperada do custo do projeto a partir do momento atual

Fórmulas em Inglês

Nome Formula Interpretação
Cost Variance CV = EV-AC Negativo: custo do projeto está acima do orçado.Positivo: custo do projeto está abaixo do orçado.
Schedule Variance SV = EV-PV Negativo: cronograma do projeto está atrasado.Positivo à cronograma do projeto está adiantado.
Cost Performance Index CPI = EV/AC Negativo: Custo do trabalho realizado está acima do orçado.Positivo: custo do trabalho realizado está abauxo do orçado.
Schedule Perfomance Index SPI = EV/PV Negativo: trabalho realizado está atrasado em relação ao planejado.Positivo:  trabalho realizado está adiantado em relação ao planejado.
Estimate at Completion EAC = BAC /CPI Fórmula mais comum
EAC = AC + ETC Usar quando as estimativas originais estão falhas
EAC = AC + (BAC – EV) Usar quando se sabe (ou se acredita) que não ocorrerão variações atípicas no futuro.
EAC = AC + ((BAC-EV)/CPI) Usar quando se sabe que ocorrerão variações atípicas no futuro.
EAC = AC / % Complete Usar quando o dado de percentual completo for confiável.
Estimate to Complete ETC = EAC – AC Quanto mais vai custar o projeto para ser completado?
Variance at Completion  (VAC) VAC = BAC – EAC Qual a variação esperada acima ou abaixo do orçado ao final do projeto?

Nomenclatura em Português

Siglas básicas em Português

Sigla Termo Interpretação
VP ou COTA Valor planejado ouCusto orçado do trabalho agendado Valor orçado do trabalho planejado
VA ouCOTR Valor agregado ou Custo Orçado do Trabalho Realizado Valor orçado do trabalho realizado
CR ouCRTR Custo real
ou Custo real do trabalho realizado
Custo real do trabalho executado até o momento
ONT Orçamento no término Orçamento previsto do projeto
ENT Estimativa no término Expectativa atual do custo total do projeto
EPT Estimativa para o término Valor a ser gasto, a partir de agora, para que o projeto seja completado
VNT Variação no término Variação esperada do custo do projeto a partir do momento atual

Fórmulas em Português

Nome Formula Interpretação
Variação de custo VC = VA-CR Negativo: custo do projeto está acima do orçado.Positivo: custo do projeto está abaixo do orçado.
Variação de prazo Vpr = VA-VP Negativo: cronograma do projeto está atrasado.Positivo à cronograma do projeto está adiantado.
IDC – Indice de desempenho de custo IDC = VA/CR Negativo à Custo do trabalho realizado está acima do orçado.Positivo: custo do trabalho realizado está abauxo do orçado.
IDP – Indice de desempenho de prazo IDP = VA/VP Negativo: trabalho realizado está atrasado em relação ao planejado.Positivo: trabalho realizado está adiantado em relação ao planejado.
ENT – Estimativa no término ENT = ONT /IDC Fórmula mais comum
ENT = CR + EPT Usar quando as estimativas originais estão falhas
ENT = CR + (ONT – VA) Usar quando se sabe (ou se acredita) que não ocorrerão variações atípicas no futuro
ENT = CR + ((ONT -VA)/IDC) Usar quando se sabe que ocorrerão variações atípicas no futuro
ENT = CR / % Completo Usar quando o dado de percentual completo for confiável
EPT – Estimativa para o término EPT = ENT – CR Quanto mais vai custar o projeto para ser completado?
VNT – Variação no término VNT = 0NT – ENT Qual a variação esperada acima ou abaixo do orçado ao final do projeto?

Conclusão A Gestão do Valor Agregado tem extrema importância no projeto, seja para controlar os desvios ou até mesmo adaptar-se a mudança. Uma gestão eficaz deve ser estratégica e com uma base sólida de acompanhamento do desempenho dos projetos desde sua fase inicial de planejamento até seu encerramento, aprendendo com os erros e melhores práticas. É importante salientar que o projeto além de ser justificável para execução, este precisa se manter viável e justificável durante todo o ciclo de vida do projeto, e o gerenciamento do valor agregado é a ferramenta certa para diagnosticar a saúde do projeto.

Flávio Costa on InstagramFlávio Costa on LinkedinFlávio Costa on Twitter
Flávio Costa
Gerente de Projetos na Hexagon

Gerente de projetos com mais de 15 anos de experiência desde desenvolvimento de software, gestão de portfólios, programas e projetos, liderança e formação de equipes. Possui as principais certificações gestão de projetos como: PMP (Project Management Professional) pelo PMI, PRINCE2 Practitioner, PRINCE2 Agile e MoP (Management of Portfolio) pela Axelos, Agile Scrum pela Exin entre diversas outras.


Gerenciou grandes projetos e programas de implantação de sistemas nos segmentos de comércio, varejo, engenharia, segurança pública, informações geográficas e setor público sempre com foco no relacionamento interpessoal e gestão de mudança com alto valor estratégico. Sempre engajado e comprometido em construir e liderar equipes para atingir as metas corporativas e entregar valores e benefícios a organização e cliente.


Atualmente é: Gerente de Projetos na Hexagon, Gerente de Portfólio no PMI-SP, Professor em gestão de projetos pelo SiteCampus e Colunista nos portais TI Livre, Projetos e TI, e Profissionais TI


Comentários

Deixe uma resposta